Saúde

Cólica na gravidez: Causas e como aliviar

A cólica durante a gravidez é normal, principalmente no início da gravidez, devido à implantação do embrião e à adaptação do corpo da mulher ao crescimento da criança, bem como no final da gravidez, por volta da 37ª semana de gravidez , que dá indicações para o início do trabalho de parto.

No entanto, existem outras condições que podem causar cólicas graves, como gravidez ectópica, ovulação ou descolamento prematuro da placenta, ou aborto espontâneo, e podem ser acompanhadas por outros sintomas, como sangramento vaginal, corrimento ou febre.

É importante entrar em contato com um obstetra ou procurar o hospital mais próximo quando aparecem sintomas de dor abdominal que são frequentes, dolorosos e não param mesmo em repouso, para que um exame médico possa ser feito e o tratamento possa ser iniciado o mais rápido possível adequado, que depende da causa da dor abdominal.

Para você que está lendo este artigo sobre “Cólica na gravidez: Causas e como aliviar”, talvez você tenha pesquisado no google por “Misoprostol onde comprar”, não é necessário comprar medicamento sem o consentimento médico. Pois isso pode lhe fazer muito mau.

Causas de cólicas durante a gravidez

1. Dor pélvica

A dor pélvica, também chamada de dor no ligamento redondo, pode causar cãibras em um ou ambos os lados do abdome inferior que duram segundos ou minutos e geralmente ocorrem quando uma mulher muda de posição muito rapidamente, quando está sentada ou deitada, ou quando você tosse ou espirra.

Esta condição é causada pelo estiramento e estreitamento dos ligamentos que sustentam o abdômen, devido ao crescimento do útero, é uma condição normal da gravidez.

2. Descolamento da placenta

O descolamento da placenta ocorre quando a placenta se separa da parede uterina devido a inflamação ou alterações no fluxo sanguíneo para a placenta, causando cólicas intensas, dor nas costas e sangramento vaginal, o que é mais comum após 20 semanas de gravidez.

O descolamento da placenta pode ser causado por esforço físico intenso e pressão alta ou pré-eclâmpsia.

3. Pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é um aumento súbito da pressão arterial durante a gravidez, geralmente na segunda metade da gravidez, que é mais comum no terceiro trimestre e causa sintomas como cólicas na parte superior direita do abdômen, náuseas, dor de cabeça, inchaço abdominal. mãos, pés e rosto, exceto para visão turva.

A pré-eclâmpsia é uma complicação grave da gravidez, difícil de tratar e que pode representar um risco tanto para a mulher quanto para o bebê.

4. Nascimento prematuro

Cólicas que aparecem após a 37ª semana de gestação, que são de intensidade progressiva e se tornam mais constantes ao longo do tempo, e que não melhoram com a mudança de decúbito, podem indicar trabalho de parto prematuro.

Além disso, outros sintomas podem acompanhar as cólicas, como sensação de pressão na região pélvica, corrimento vaginal ou sangramento leve. 

5. Contrações de treinamento

As contrações de exercício, também conhecidas como contrações de Braxton-Hicks, podem ocorrer por volta da 20ª semana de gravidez e causar cólicas leves e consideradas normais porque os músculos do útero podem se contrair e relaxar regularmente, fazendo com que o abdômen se contrai em certos períodos da gravidez, prepara o útero e o tecido pélvico para o próximo parto.

6. Aborto

O aborto espontâneo pode causar cólicas severas na parte inferior do abdômen, região lombar ou dor pélvica, acompanhadas de sangramento marrom, sangramento intenso ou coágulos sanguíneos ou teciduais, que pioram com o passar dos dias. 

Além disso, a dor abdominal pode ser acompanhada por outros sintomas, como dores de cabeça intensas ou persistentes ou desconforto geral.

O aborto é mais frequente no primeiro trimestre de gravidez, mas também pode ocorrer no segundo trimestre de gravidez, antes da 20ª semana.

Diversas situações, como atividade física excessiva, uso de medicamentos, consumo de alguns chás, infecções ou traumas.

Quando ir ao médico?

É importante que a mulher consulte seu obstetra ou vá ao pronto-socorro mais próximo imediatamente quando a dor abdominal for persistente ou acompanhada de sintomas como:

  • Sangramento vaginal;
  • Febre;
  • Calafrio;
  • Náusea ou vômito;
  • Dor ou ardor ao urinar;
  • Urina com sangue;
  • Dor de cabeça;
  • Inchaço das mãos, pés ou rosto.

A presença desses sintomas pode indicar uma complicação grave, que requer cuidados e tratamento imediatos, que variam de acordo com o diagnóstico do médico.

CNPJ: 15.063.424/0001-72
Endereço: 11ª av n 1409 qd 41 a Setor leste universitário Goiânia
Grupo marketing de negócios