stress
Saúde

Veja 7 dicas de como aliviar o stress 

Se existe um problema evidente, e que afeta boa parte da sociedade contemporânea, é o excesso de stress que faz parte do dia a dia de todas as pessoas que possuem uma rotina agitada de forma muito acentuada.

Dessa maneira, não se pode manter a saúde em dia sem fazer um acordo com as próprias emoções e colaborar consigo mesmo para que seja possível ter uma rotina saudável e satisfatória através da mudança dos maus hábitos.

Mesmo se encaminhando ao centro automotivo mais próximo logo depois da ocorrência de um arranhão na porta do carro durante um pequeno acidente de trânsito na rua, o motorista dificilmente conseguirá manter pleno controle de sua mente estressada.

É por este motivo que é importante considerar o organismo, também, como um tipo de máquina. E, por tal razão, este artigo abordará o tema, explicando como se prevenir dessas fadigas emocionais.

Através da contextualização do stress, será possível auxiliar desde quem trabalha em uma empresa de limpeza predial, até aqueles que passam um expediente inteiro na frente do computador. 

Por fim, você também encontrará uma lista com sete dicas sobre como aliviar tamanha tensão em meio aos afazeres do dia a dia.

O que é o stress?

A condição de esgotamento físico e mental está sendo percebida de forma comum e frequente em grande parte da população. Sendo por atritos nos relacionamentos domésticos ou questões da vida profissional, as pessoas sofrem do mal da ansiedade.

É justamente esse quadro ansioso que muda os estados emocionais da água pro vinho, uma vez que a sensação angustiante invade a mente e o corpo, elevando a pressão arterial e proporcionando grande desequilíbrio.

Entretanto, é possível amenizar o stress sem necessariamente fazer uso de medicamentos com boas práticas cotidianas, que são selecionadas para serem vividas nos diversos locais de convívio comum, como em uma estação de trabalho 8 lugares.

Para tanto, existem algumas atitudes que podem ser introduzidas na rotina e que proporcionam, por si mesmas, o relaxamento. Apesar da situação de stress não ter dia e nem hora para chegar, há como trabalhar para desfazer as suas consequências negativas.

O stress é a reação natural do organismo ocorrida naqueles momentos em que um indivíduo vivencia situações de risco ou ameaça. Esse mecanismo corporal coloca o ser humano em estado de alerta e atenção, proporcionando alterações físicas e emocionais.

O impulso de reagir a essa sensação de nervosismo se trata de uma atitude biológica importante para a adaptação às novas realidades.

Seja uma mudança brusca de temperatura ou uma reação alérgica à poeira, no momento de arrumar a sala para fazer a lavagem de almofadas, o stress pode estar presente como sinal de que o corpo está absorvendo demais aquilo que está acontecendo.

Quais os tipos de stress?

É importante apontar, neste contexto, quais os dois tipos de stress mais comuns e como eles se apresentam na vida dos seres humanos porque, dependendo da vivência particular de cada um, a carga emocional se manifesta de formas e continuidades diferentes.

A reação do corpo de um técnico que passa o dia inteiro sentado na cadeira em frente ao computador, não é a mesma que a de uma dona de casa acompanhando um processo de obra em sua residência.

Portanto, o fechamento de terraço com vidro irá causar reações distintas às de uma tela cheia de relatórios para serem dados baixa.

O primeiro tipo de estresse é o agudo, que atua de forma mais breve, porém mais intensa, e normalmente ele é causado por decorrência de traumas passageiros.

O segundo é o stress crônico. Ele costuma afetar a maior parte das pessoas, e permanece presente de forma constante no dia a dia, porém de uma maneira mais amena. Assim, o estresse se dá em três fases: a de alerta, resistência e exaustão.

A fase de alerta acontece quando a pessoa conhece o agente estressor pela primeira vez, entrando em primeiro contato com ele. É como alguém que sabe que está com a pendência do laudo veicular para transferência, e tem a pressa de pegá-lo o quanto antes.

Os principais sintomas deste quadro são as mãos ou pés frios, boca seca, dores de estômago, transpiração excessiva, tensões e dores musculares, ranger de dentes, roer unhas e pontas de canetas, diarréias passageiras e batimentos cardíacos acelerados.

A situação pode desencadear também os sintomas de insônia, respiração ofegante, aumento repentino da pressão sanguínea e agitação física e emocional.

Durante a fase de resistência, o corpo faz um esforço para retornar ao seu equilíbrio. Neste contexto, o organismo poderá conseguir se adaptar ao problema, ou até mesmo eliminá-lo.

Desde a decepção de não conseguir ganhar a surpresa na máquina de pegar prêmios, até uma situação de fadiga mental ocasionada por um problema de saúde, a adaptação do organismo pode variar de acordo com as condições do indivíduo.

Os sintomas da fase de resistência estão entre problemas de memória, mal-estar geral, formigamento nas mãos e nos pés, sensação de fadiga física constante, alteração no apetite, surgimento de problemas de pele, cansaço constante e hipertensão arterial.

Além disso, transtornos como gastrite prolongada, tontura, sensibilização emotiva constante e excessiva, obsessão com o agente causador do estresse e irritabilidade excessiva, bem como a diminuição no desejo sexual também se fazem presentes no paciente.

Por fim, tem-se a fase de exaustão, onde há a possibilidade de surgir diversos comprometimentos físicos em formato de doença. As diarréias constantes, os problemas sexuais, formigamento nas mãos e pés e forte insônia estão entre os sintomas.

Ademais, tiques nervosos, hipertensão arterial, problemas de pele a longo prazo, alterações graves no apetite, aceleração dos batimentos cardíacos, tontura constante e até mesmo úlcera podem se apresentar como agravantes do quadro.

É possível citar também grandes dificuldades de exercer os trabalhos, ocorrência de pesadelos, apatia física, cansaço, irritabilidade, angústia, hipersensibilidade emotiva e perda do senso de humor como sintomas.

Formas de prevenção

Muita coisa pode ser resolvida a partir de uma boa alimentação. Durante a crise de estresse, o corpo se desfaz de muitas vitaminas e nutrientes. Dessa forma, para repor esse desgaste, é indicado comer muitas verduras e frutas.

Elas são ricas em vitaminas que pertencem ao complexo B, bem como vitamina C, magnésio e manganês. O brócolis, a chicória, a acelga e o alface são ricos nesses tipos de nutrientes. E o cálcio pode ser reposto a partir do consumo de leite e seus derivados.

Também entram em cena as práticas de atividades físicas, uma vez que qualquer exercício promove benefícios ao corpo, otimizando algumas funções cardiovasculares e respiratórias, gastando calorias e auxiliando no condicionamento do corpo.

Elas ajudam também através da indução da produção de substâncias que são naturalmente relaxantes e analgésicas, tais como a endorfina.

É importante destacar que somente profissionais da área da saúde devidamente capacitados podem diagnosticar os quadros, indicar tratamentos e prescrever medicamentos de acordo com a sua necessidade.

7 dicas de como não sofrer mais com stress

Depois de explicar sobre os males trazidos pelos transtornos de stress, juntamente com a conceitualização do problema, é importante destacar alguns caminhos para sua solução.

Se até nos momentos de resolução de problemas simples, como uma ida ao mecânico durante uma vistoria para troca de placa ou retirada de um produto na loja, pode haver possibilidade para o nervosismo, é necessário pensar nas formas de evitá-lo efetivamente.

A lista a seguir contém sete ações básicas que, quando incorporadas em uma saudável cobrança pessoal e estipulação de metas de vida, são capazes de fazer bem à saúde, auxiliando pessoas que desejam se livrar deste mal. São elas:

  1. Trocar de hábitos;
  2. Se conformar com a realidade;
  3. Aplicar a regra dos dois minutos;
  4. Se ater às prioridades;
  5. Ouvir boa música;
  6. Fazer exercícios de respiração;
  7. Fazer uma breve caminhada.

Através dos bons hábitos alimentares, físicos e psicológicos e da conformação com aquilo que não pode ser mudado do dia para a noite, o indivíduo faz, antes de tudo, um exercício de instalação na realidade. Esse já é um grande passo para a melhora.

Depois, a chamada regra dos dois minutos consiste em fazer uma breve pausa nas atividades correntes, nos momentos de stress, durante exatamente este período de tempo para fazer uma limpeza mental.

Buscando exercitar o cérebro através da reflexão calma sobre possíveis soluções para o problema, a pessoa pode voltar, ao final da sessão, renovada para encarar novamente os desafios.

Além disso, é preciso se atentar às prioridades da rotina. Tudo isso poderá ser realizado ao som de uma boa e calma música, intercalando com exercícios de respiração e pausas para caminhar.

Considerações finais

As práticas úteis à dispersão da tensão e alívio do stress nos momentos de grande emoção são indispensáveis para ter uma vida saudável e alcançar o bem-estar pleno.

Através da compreensão do conceito deste quadro clínico e algumas das principais dicas ao seu respeito, é possível encontrar algumas maneiras de contornar tal adversidade que interfere negativamente no cotidiano de qualquer pessoa.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

CNPJ: 15.063.424/0001-72
Endereço: 11ª av n 1409 qd 41 a Setor leste universitário Goiânia
Grupo marketing de negócios